quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

O direito de viver

Não costumo dar muita importância aos políticos, nem às suas obscuras agendas, mas hoje tocaram num assunto que me é especialmente caro.

Uma das coisas que verdadeiramente me assusta é essa possibilidade de poder ficar irreversivelmente refém do meu próprio corpo e incapaz de ser feliz e de trazer felicidade aos que me são mais queridos. Se alguma vez vier a estar nessa situação, que fique desde já registado, não quero continuar a viver, mais, quero que me ajudem a morrer!

É a minha vida que está em causa e com esta minha decisão ninguém sai prejudicado, por isso tenho uma enorme dificuldade em aceitar que queiram privar-me desse direito. Ninguém tem o direito de interferir com a minha eventual vontade de morrer! Tenho muito respeito pela opinião dos que, por razões religiosas ou outras, defendem a vida até às últimas consequências, mas não entendo nem aceito que queiram impor-me as suas convicções.

A eutanásia voluntária é um direito tão elementar e fundamental quanto o próprio direito à vida. A escolha entre praticá-la ou não deve ser uma decisão individual de cada pessoa e nunca uma imposição de uma qualquer religião.

pedi à Senhora Dona Morte para que faça o favor de me levar rapidamente se eu alguma vez lho pedir, mas duvido que ela atenda o meu pedido. Resta-me pois continuar a exigir este direito!

4 comentários:

Fenix disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Menina do Regador de Sonhos disse...

Não podia estar mais de acordo....

Todos os seres humanos têm direito a morrer com dignidade... ou com a dignidade a que julgam ter direito...

Muitos beijinhos

mfc disse...

Quando me consultarem em referendo direi claramente SIM!

filha do administrador disse...

também me arrepia pensar que anda para ai alguém a querer decidir por mim.